5

programas de descida

180+

países sem visto

6 meses

tempo mínimo de aplicação

Durante séculos, as pessoas deslocaram-se por todo o mundo, estabelecendo diásporas por todo o lado. A cidadania por descendência dá-lhe a oportunidade de obter a cidadania dos seus antepassados.

Em muitos casos, se for elegível, é tecnicamente um cidadão desde o nascimento e está apenas a tentar obter o reconhecimento legal desse estatuto. A cidadania por descendência permite-lhe reivindicar a dupla nacionalidade através dos pais, avós, bisavós ou, em alguns casos, ainda mais atrás.

Programas de cidadania por descendência

Áustria

1-3 gerações removidas

Os requerentes da cidadania austríaca por descendência (cujos antepassados tenham sido perseguidos pelo partido nazi) podem ter tantas gerações de distância dos seus antepassados cidadãos austríacos quantas as necessárias para poderem beneficiar da cidadania austríaca.

Ver programas

Irlanda

QUALIFICAR ATRAVÉS DOS AVÓS

A cidadania irlandesa por descendência permite que as pessoas com antepassados irlandeses adquiram a cidadania provando a sua linhagem directa com um cidadão irlandês. Preenche os requisitos de elegibilidade com base no registo de nascimento e na ascendência?

Ver programas

Itália

GERAÇÕES ILIMITADAS

A cidadania italiana por descendência permite aos indivíduos com antepassados italianos obter a cidadania. Para ser elegível, é necessário comprovar a linhagem com um cidadão italiano e cumprir determinados critérios. Ajudamo-lo a apresentar os pedidos ao consulado ou à embaixada italiana no estrangeiro, ao tribunal italiano ou ao município directamente em Itália.

Ver programas

Polónia

1+ gerações removidas

Os requerentes podem recuar tanto quanto necessário para se qualificarem, desde que preencham todos os requisitos para a cidadania polaca por descendência. Em geral, os requisitos restringem a maioria dos candidatos aos bisavós.

Ver programas

Portugal

1-2+ gerações removidas

Pode obter a nacionalidade portuguesa por descendência se tiver nascido no estrangeiro e tiver um ascendente ou descendente português. Pode ser necessário comprovar a ascendência e a competência linguística, e o processo pode demorar vários meses. Também pode remontar a outras gerações se se candidatar através da herança judaica sefardita.

Ver programas

Falar com um especialista global

A equipa da Latitude tem especialistas globais em mais de 20 países. Podemos aconselhar em 14 idiomas. Deixe-nos ajudá-lo a encontrar a solução perfeita para a migração de investimentos.

A equipa da Latitude tem especialistas globais em mais de 20 países. Podemos aconselhar em 14 idiomas. Deixe-nos ajudá-lo a encontrar a solução perfeita para a migração de investimentos.

Vantagens da segunda cidadania

Latitude arrowDesfrute de maior segurança e protecção

Um segundo passaporte é o melhor plano de contingência para atenuar o risco de turbulência política ou económica no país de origem. Ter uma segunda casa significa que pode fugir para um destino seguro juntamente com a sua família e património, garantindo o seu bem-estar.

Latitude arrowAceder a mais oportunidades de educação e emprego

Ter um segundo passaporte significa maiores oportunidades de educação de alto nível e oportunidades de emprego em melhores escolas e empresas em todo o mundo. Estas eram anteriormente inacessíveis para si através da sua cidadania original.

Latitude arrowMelhore a sua mobilidade global

Com um segundo passaporte na mão, alarga as possibilidades de viajar internacionalmente. Isto porque um segundo passaporte com uma forte lista de destinos isentos de visto facilita as viagens.

Latitude arrowElevar o seu estilo de vida

Um segundo passaporte abre mais portas a serviços de saúde, locais de luxo e regiões com uma qualidade de vida mais elevada.

Uma introdução à cidadania por descendência

A cidadania é um direito básico que existe há milénios – o próprio conceito data da Grécia Antiga. Proporciona àqueles que o detêm o direito de participar activamente na sua comunidade, através da posse de bens, da contribuição económica e do envolvimento em assuntos políticos e administrativos – quer concorrendo directamente, quer apenas votando no processo.

Na maioria dos países, as leis de cidadania funcionam segundo os princípios de jure soli (direito do solo, em latim) ou jure sanguinis (direito do sangue, em latim). Nos países de jure soli, como os Estados Unidos, o Canadá, a Argentina, o Brasil e outras nações do Novo Mundo, concedem a cidadania a qualquer pessoa que nasça dentro das suas fronteiras, independentemente da filiação.

Nos países do Velho Mundo, como a Polónia, a Itália, a Áustria e outros, reina o conceito de cidadania jure sanguinis. Isto significa que o simples facto de nascer dentro das fronteiras de uma nação não é suficiente para adquirir a cidadania à nascença. Em vez disso, uma criança só é nacional desse país se o seu progenitor também o for. Este conceito também se aplica às crianças nascidas no estrangeiro. Por exemplo, uma criança nascida nos Estados Unidos de um progenitor italiano é um cidadão americano jure soli e um cidadão italiano jure sanguinis.

Em muitos casos, a cidadania por descendência pode transmitir-se através de um número ilimitado de gerações, permitindo às pessoas com descendência em vários países europeus a oportunidade de obter um segundo passaporte graças à sua história familiar.

A maioria das nações europeias que praticam o conceito jurídico de cidadania jure sanguinis oferece alguma forma de cidadania por descendência, mas cada programa tem as suas próprias restrições.

Embora muitos países concedam a cidadania por descendência, é fundamental ter em conta que cada país tem o seu próprio conjunto de requisitos e regulamentos para se tornar um cidadão. Por exemplo, alguns países permitem o rastreio até três gerações, enquanto outros apenas permitem uma geração. Alguns países, como a Hungria e a Itália, permitem que se recue a um número ilimitado de gerações para ter direito ao subsídio.

Países como a Áustria, a Irlanda, a Itália, a Polónia e Portugal têm programas populares de cidadania por descendência. Por isso, vale a pena explorar a sua árvore genealógica em busca de antepassados austríacos, irlandeses, italianos, polacos e portugueses.

Deve poder apresentar provas que demonstrem a sua linhagem com o antepassado cuja cidadania pretende obter. Consoante o país em que se candidata a cidadão, terá de apresentar certidões de nascimento, passaportes, certidões de casamento, registos de morada, documentos de naturalização e, essencialmente, tudo o que possa fundamentar legalmente o seu pedido.

A chave para os pedidos de cidadania por descendência é provar duas coisas: a existência de um antepassado qualificado e a sua relação com ele.

Outros serviços

Consultoria governamental

Na Latitude, temos uma vasta experiência nos domínios da residência e da cidadania. Ajudamos os governos a criar e optimizar os programas de migração de investimentos. Estes programas são também conhecidos como programas de vistos dourados. Somos líderes no sector. Para além disso, somos excelentes em branding de países e comunicações estratégicas de marketing.

Saiba mais
Residência por investimento

A Latitude fornece orientação especializada sobre programas de investimento em residência nos principais destinos do mundo. Afinal de contas, somos a maior autoridade em mobilidade social e oportunidades de cidadania. Conheça os detalhes dos programas de residência mais confiáveis e bem-sucedidos. Mude a residência para um país favorável ou, até mesmo, aumente seu número de residências. Este é um aspecto sempre vital do planeamento global para clientes individuais.

Saiba mais
Cidadania pelo investimento

A cidadania por investimento permite que você adquira a cidadania de um país por meio de uma contribuição, doação ou, até mesmo, compra de propriedade. As quotizações e os donativos não são reembolsáveis. Você também terá de manter seu investimento imobiliário por um período específico.

Saiba mais